Endeavour

Endeavour é um filme, ou telefilme (por ter sido exibido por um canal de TV), produzido pelo canal ITV, da Inglaterra, exibido em janeiro de 2012 pelo canal. Ele foi feito como uma homenagem aos 25 anos da série clássica Inspector Morse iniciada nos anos 80’s. E o filme nada mais é que um prelúdio de Inpector Morse.

Cássio Antunes Endeavour

É um filme envolvente que teve um pico de audiência muito grande na Inglaterra, com uma média de 8.2 milhões de telespectadores. Devido à grande receptividade do público com a exibição do filme comemorativo, os produtores resolveram criar uma série a partir desse filme, na qual já foram realizadas duas temporadas e anunciaram em setembro de 2014 a renovação para uma terceira temporada.

A história do filme ocorre em 1965 onde uma estudante desaparecida da Universidade de Oxford leva o detetive Fred Thursday e seu assistente, o Policial Endeavour Morse a cuidarem do caso.

Cássio Antunes Endeavour Ator

Morse, interpretado por Shaun Evans, é um jovem policial ex-estudante de literatura em oxford que rum belo dia resolveu largar os estudos para seguir a carreira como policial. E aí que começa a graça, nesse caso do desaparecimento ele precisa retornar a Oxford, onde lhe vêm lembranças da época em que estudava.

É claro que isso é só o começo do começo, muita coisa desenrola e o mistério e suspense é muito acentuado o que causa um envolvimento muito grande com os personagens. Gostei bastante do filme prelúdio e da primeira temporada, estou indo assistir a segunda temporada, mas depois eu faço um review melhor para vocês sobre cada uma.

De qualquer modo, recomendo que assistam a esse primeiro filme que deu origem à série, não criem grandes expectativas pois a produção deixa um pouco a desejar, mas a o roteiro tem seu mérito e não é a toa que um simples telefilme virou uma série muito forte na Inglaterra. Vale conferir.

Pessoal, se curtiu, fiquem sempre de olho aqui no blog Cássio Antunes. Valeu!
Abraços

A Pele Que Habito

Oi Galera, tudo tranquilo?

Hoje quero falar com vocês sobre um filme muito maluco que vi no último final de semana . É um filme já antigo (2011) que revi, trata-se do: A pele que habito do caríssimo Pedro Almodóvar.

Engraçado é ter percepções diferentes sobre os filmes quando os vemos pela segunda vez. Assisti a ele logo quando chegou em DVD e lembro de ter ficado um tanto perplexo com o desenrolar da história, tratando-se de Almodóvar sabia que podia esperar algo do tipo mas é sempre uma surpresa. A história e o suspense prometido são muito bem executados.

A Pele que Habito
[SPOILER]
A história tem como personagem principal um cirurgião plástico, Robert, interpretado por Antonio Banderas, que perde tragicamente sua esposa e sua filha. Ambas se suicidaram, a esposa devido a tristeza em relação a sua aparência após um acidente e a filha, em decorrência do trauma de assistir o suicídio de sua mãe combinado com um estupro sofrido.

Robert, inconformado com as queimaduras sofridas pela esposa, iniciou estudos para criar uma pele mais resistente em um laboratório dentro de sua enorme residência. Com os traumas sofridos e sentimentos de vingança, Robert captura o estuprador de sua filha para condená-lo a seu cobaia em seus experimentos transformando-o em uma mulher posteriormente com o auxílio de inúmeras intervenções cirúrgicas.

Não quero contar todo o filme para vocês pois vale a pela assistir mas voltando ao nosso papo, o que mais me chamou atenção neste filme é que a transformação em mulher é feita com muito suspense envolvido e realmente choca aos telespectadores (ou pelo menos a mim).

Robert, obcecado pela vingança e também dirigido pelo seu trabalho, criou um transgênero dentro de seu laboratório. Apesar de o foco do filme não ser as diversas intervenções estéticas, é para se pensar em como as cirurgias são benéficas em diversos momentos com “imperfeições” que nos incomodam e até mesmo para a troca de sexo (por que não?).

Por outro lado, quando as intervenções estéticas viram uma obsessão e exageradas, acabam destruindo aparências e colocando risco a saúde das pessoas que se submetem a elas.

O filme retrata os avanços e inúmeras mudanças que conseguimos fazer em nossos corpos. A cobaia de Robert era a mesma pessoa por dentro mas e por fora? A cada momento é inventado uma nova cirurgia plástica, seja para aumentar isto ou diminuir aquilo e a nossa vaidade pode falar mais alto que a razão.

Enfim, acho que me estendi demais e até divaguei no assunto rs. Fica a dica do filme que vale a pena conferir e tirar sua próprias conclusões.

Grande Abraço.

Trailer: